Lista da salvação

Por: Bernardo de Mello Franco

Fonte: Folha de S. Paulo

 

BRASÍLIA – O clube dos delatados teve uma ideia para tentar sobreviver às urnas em 2018. A proposta é adotar o modelo de lista fechada a partir das próximas eleições.

A estratégia foi abraçada pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira. Os dois foram acusados por executivos da Odebrecht e deverão responder a inquéritos no Supremo.

No sistema de lista, o eleitor deixa de ter direito a escolher seu deputado ou vereador. Ele passa a votar apenas no partido, e não no candidato. Cabe à direção de cada sigla indicar quem assumirá as cadeiras.

O modelo foi rechaçado em maio de 2015, quando a Câmara discutiu um arremedo de reforma política. Foi um massacre: 402 votos contrários e 21 a favor. Entre os grandes partidos, apenas o PT defendeu a lista, sem muito entusiasmo.

Menos de dois anos depois, a ideia ressurge das cinzas com amplo apoio no Congresso. A explicação é simples: os políticos passaram a ver nela uma boia de salvação contra o naufrágio anunciado pela Lava Jato.

A tese começou a ser discutida no último domingo, em almoço na residência oficial do presidente da Câmara. Voltou à mesa nesta quarta (15), quando o presidente Michel Temer recebeu os delatados Maia e Eunício no Palácio do Planalto.

A elite política quer mudar o modelo eleitoral com um objetivo claro: aumentar as chances de reeleição dos atuais parlamentares. Pelo modelo em discussão, eles ocupariam os primeiros lugares nas listas de cada partido em 2018.

Se a proposta for aprovada, o eleitor será praticamente impedido de demitir os políticos enrolados no petrolão. Assim, eles garantiriam um seguro para renovar os mandatos e manter o foro privilegiado até 2022.

A lista fechada faz algum sentido em países com partidos sólidos e tradição parlamentarista. Não é o caso do Brasil, onde há 35 siglas registradas e quase ninguém sabe a diferença entre PR, PRB, PRP e PRTB.

 

Enviar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *