Universidades, CLA e governo do Maranhão querem criar curso de engenharia espacial

Objetivo é capacitar profissionais para atuarem no Centro de Lançamento de Alcântara

As universidades Federal (UFMA) e Estadual (UEMA) do Maranhão, o Instituto Federal do Maranhão (IFMA), o governo do estado e o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) começaram a discutir a estruturação de um curso engenharia espacial. A proposta das entidades é que o curso tenha como meta promover a capacitação e a qualificação de recursos humanos para o CLA.

O curso deverá ser mantido pela Agência Espacial Brasileira. Para que isso aconteça será encaminhado um ofício explicando a metodologia e o potencial de mercado existente no Maranhão, para que o projeto possa ser apresentado e aprovado. Caberá à Agência a escolha da universidade que vai coordenar a execução do projeto.

A previsão é que o curso tenha duração de vinte meses e conte com disciplinas como matemática, física, ferramentas computacionais e introdução à engenharia: todas voltadas para o setor de foguetes. As aulas seriam ministradas por professores vindos do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e também da UFMA, UEMA e IFMA.

Os módulos preveem um total de 11 disciplinas, com 80% da carga horária cumprida em sala de aula. Também estão previstas visitas técnicas tanto no Centro de Lançamento, em Alcântara, quanto no ITA, em São José dos Campos (SP). “Temos mais uma reunião para finalizar o projeto. Estamos pensando inicialmente no curso de especialização e, em médio prazo, transformá-lo num programa de pós-graduação, mestrado e doutorado em engenharia aeroespacial”, projeta a secretária de Ciência e Tecnologia, Rosane Guerra.

Segundo o comandante do Centro de Lançamento de Alcântara, Ten.Cel. César Demétrio Santos, é necessária uma aproximação maior do Centro de Lançamento com a comunidade. Um curso, como esse, seria o primeiro passo. “O maranhense precisa conhecer um pouco mais o que é o CLA, o que é feito lá. Precisa visitar e adquirir conhecimento para que, em possíveis concursos futuros, todos estejam capacitados para desempenhar um bom trabalho”, conclui.

*Com informações da assessoria da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Maranhão